Notícias



  • 17 May 2022
  • Comentarios
GENERAL KAMORTEIRO INTEIROU-SE DO FUNCIONAMENTO DA...

Luanda - O Chefe do Estado Maior General Adjunto das Forças Armadas Angolanas para Área Operacional e Desenvolvimento, General Abreu Muengo Ukuatchitembo “Kamorteiro “, visitou sexta-feira (13), a Base Naval de Luanda, onde constatou o grau de prontidão das novas Lanchas de patrulhamento das águas nacionais, que estarão a cargo dos efectivos da Marinha de Guerra Angolana.

Na ocasião, o General Kamorteiro e outros responsáveis militares do Estado Maior General das FAA e da Marinha de Guerra Angolana, assistiram várias demonstrações práticas sobre a missão destas novas Lanchas adquiridas pela MGA, no quadro da modernização e apetrechamento em curso nos três ramos das Forças Armadas Angolanas, nomeadamente, Exército, Força Aérea e Marinha de Guerra.

A Marinha de Guerra Angolana (MGA) é o ramo naval das Forças Armadas Angolanas, que tem como missão a defesa das águas nacionais, na protecção das linhas de comunicação marítima, busca e salvamento, segurança da navegação, fiscalização das pescas, protecção de recursos do mar e apoio a  política externa do país.

Saiba mais
  • 05 May 2022
  • Comentarios
CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA PORTUGUESA VISITA...

Luanda - O Chefe do Estado-Maior da Armada Portuguesa Almirante Henrique Eduardo Passaláqua de Gouveia de Melo, iniciou nesta quinta-feira,  uma visita de trabalho de dois dias a  Angola, no quadro das relações de cooperação.

A visita tem como objectivo  renovar os compromissos de cooperação e intensificar as relações bilaterais entre a Armada Portuguesa e a Marinha de Guerra Angolana.

A sua chegada  a Luanda , o  Almirante Henrique Eduardo Passaláqua recebeu cumprimentos de boas vindas do Vice-almirante Valentim Alberto António, segundo Comandante da Marinha de Guerra Angolana, em representação do Comandante do Ramo.

Ainda hoje no  encontro que manteve com os membros do Comando da MGA, o Almirante luso foi informado sobre a organização e funcionamento do Ramo, das suas perspectivas e do investimento que o Executivo está a realizar na MGA.

Na ocasião , o Vice-almirante Valentim António afirmou que há espaço para ampliar e explorar as relações de amizade no âmbito da cooperação existente entre as duas marinhas de modo que  o projecto de desenvolvimento da MGA não se esgote nas actividades desenvolvidas actualmente.

“Entendemos que deverá haver novos campos a desbravar,  esquemas em curso a melhorar e novas metas a atingir”, referiu o dirigente militar angolano.

Neste sentido , afirmou  que quando a vontade é muita, só a imaginação pode condiocionar o horizonte.

O visitante  luso cumpriu hoje ( quinta-feira) , uma intensa jornada de trabalho na Base Naval de Luanda cuja agenda o levará ao Ministério da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria, ao Chefe do Estado Maior General e à Região Naval Norte, Soyo.

No quadro da sua visita, atracou no dia 03 de Maio, no Porto de Luanda, o navio NRP Viana do Castelo pertencente à Marinha de Guerra Portuguesa, pela segunda vez, com 50 militares a bordo.

O navio Viana do Castelo, modelo P360, regressa a Angola quatro anos depois da primeira visita feita ao país, apoiando a primeira visita oficial do actual CEMA português e seguir missão no âmbito da iniciativa “Mar Aberto”, disse o Comandante do navio, Capitão-de-Fragata Paciência da Silva.                                                                          

De recordar que o referido navio foi desenhado pelos engenheiros e construtores navais de Portugal, em Viana do Castelo, e é operado pelos marinheiros portugueses. É o primeiro da classe de patrulha oceânica de Portugal, tem 83 metros de comprimentos, 13 de largura, uma altura a baixo da linha da água de 4 metros, deslocamento de peso total de 1.850 toneladas, construído para busca e salvamento.

Quanto à sua autonomia no mar, o Capitão-de-Fragata Paciência da Silva informou que  depende da velocidade que for praticada, variando entre 30 a 40 dias sem precisar de abastecimento de combustível e 60 de alimentação.

Saiba mais
  • 29 Apr 2022
  • Comentarios
OFICIAIS DE EDUCAÇÃO PATRIÓTICA FREQUENTAM SEMINÁ...

Luanda-  Oficiais  da  Direcção de Educação Patriótica da Marinha de Guerra Angolana  (MGA) participam desde segunda-feira, 18, numa acção formativa de  capacitação.

A formação  tem  como objectivo a melhoraria da qualidade  do trabalho no exercício  das funções  dos oficiais ligados a área de Educação Patriótica, nas unidades e su-unidades deste ramo das Forças Armadas Angolanas.

Ao proceder o acto de abertura do seminário,  decorrido na Base Naval de Luanda, o  Comandante Adjunto da Marinha de Guerra Angolana para Educação Patriótica, Vice-almirante Victor Fernando Alberto,  referiu que a formação de quadros foi e será sempre uma preocupação da Marinha de Guerra .

“Por  isso,  estamos preocupados com a melhoria  da  prestação do trabalho patriótico nas unidades, levado a cabo pelos educadores patrióticos”, sublinhou.

O dirigente militar apelou  aos participantes a desenvolverem um trabalho de  boa qualidade, com vista manter o grau de disciplina nas unidades do ramo.

“O educador patriótico é um promotor da organização,  bravura, cultura de paz, de virtudes, do civismo, patriotismo  e da valentia”,  acrescentou.

Disse  igualmente que  é dever do educador  patriótico exaltar o respeito pela hierarquia militar e incentivar o cumprimento das normas da disciplina militar, entre outras  obrigações que regem as normas militares .

O seminário de Capacitação dos Oficiais  que encerra hoje dia 29 conta com a participação de efectivos  provenientes  do Comando   do Ramo , Regiões Navais, Esquadra Operacional, Academia Naval, Instituto Superior, Estaleiro Naval, Brigada de Fuzileiros e demais unidades.

Saiba mais
  • 12 Apr 2022
  • Comentarios
EFECTIVOS DA MARINHA FRANCESA REALIZARAM EXERCÍCIO...

Luanda - O  navio de patrulha da Marinha de Guerra da França   batizado por Commandante Birot , esteve atracado de 26 a 31 de Março, no Porto de Luanda , onde durante a permanência, os  seus efectivos realizaram exercícios conjuntos com forças da Marinha de Guerra Angolana (MGA), no âmbito da cooperação  da segurança marítima .

Comandado  pelo Capitão-de-Corveta Sébastien, a embarcação  que cumpre uma missão de três meses na zona do Golfo da Guiné,  tem a bordo mais de 90 especialistas Naval da Marinha de Guerra da França . 

O navio cumpre uma missão denominada “Corymbe 2022”, que visa consolidar laços de amizade e cooperação, bem como aperfeiçoar a capacidade dos países que fazem parte da segurança marítima do Golfo da Guiné , de que Angola faz parte

Em  águas nacionais da Republica de Angola,  os efectivos franceses desenvolveram conjuntamente com os homólogos da MGA, exercícios navais de patrulhamento e controlo marítimo.

De acordo com o Comandante do navio francês Capitão-de-Coverta Sébastien, para além de desenvolver exercícios  conjunto de patrulhamento e controlo marítimo com  efectivos da MGA, foi realizado uma manobra de patrulhamento com o objectivo de controlar e identificar navios que circulam no mar angolano.

“Há necessidade de reforçar o patrulhamento marítimo angolano, por isso, o navio francês está aqui disponível para o efeito”, disse o oficial comandante da embarcação.

Revelou que, durante o período de permanência do navio “Commandant Birot”, foram constatadas algumas irregularidades a 100 quilómetros da costa angolana, onde alguns navios praticavam pesca ilegal.

“Estamos aqui para poder ajudar e intervir sobre esses fenómenos”, sublinhou.

O embaixador da França em Angola, Daniel Vosgien, fez saber que o seu país participa activamente na luta e combate contra os riscos e ameaças, assim como o tráfico ilegal, pesca ilegal e a pirataria.

Neste caso,  assegurou que a França está a trabalhar com  Governo angolano com vista formar oficiais da Marinha de Guerra Angolana, no âmbito da segurança marítima.

 

“A França  tem a missão permanente de assegurar a estabilidade do Golfo da Guiné, motivo pelo qual o navio patrulha “Commandant Birot” está em Luanda”, disse.

Relativamente  a cooperação, Daniel Vosgien sublinhou a importância da partilha de informação marítima entre os países do Golfo da Guiné onde Angola também participa,  para o conhecimento dos eventos a nível do oceano.

Em matéria de cooperação bilateral e de defesa marítima entre Angola e França, o diplomata disse que o seu país vai continuar  a trabalhar com os actores institucionais no domínio da defesa no  continente africano, na área de segurança marítima”.

Referiu ainda , que a cooperação entre Angola e França em matéria de defesa vai ser aprofundada atendendo as análises da situação de segurança entre os países membros da África Central .

Realçou que, em 2021, foram registados êxitos com a formação de 16 oficiais estrangeiros em França e em escolas regionais, bem como o ensino do francês a uma centena de efectivos das Forças Armadas Angolanas através da Alliance Française de Luanda.

Os membros da tripulação francesa visitaram  a Capitania do Porto de Luanda, Direcção de Política de Defesa Nacional e  a  Base Naval de Luanda.

Saiba mais