Mensagem do Comandante

Seja bem-vindo ao Portal da Marinha de Guerra Angolana. Uma janela que permite ter o primeiro contacto com a nossa instituição, de forma digital. continuar a ler


General Jorge Manuel dos Santos
COMANDANTE DA MARINHA DE GUERRA ANGOLANA

Últimas Notícias

Veja abaixo

  • 08 Jul 2022
  • Comentarios
REGIÃO NAVAL NORTE TERÁ NOVAS INFRAESTRUTURAS DE...

O Executivo angolano está a reforçar a capacidade operacional da Marinha de Guerra Angolana dotando-lhe com meios navais e infraestruturas capazes de garantir uma uma maior prontidao combativa .

O objectivo segundo fontes oficiais é assegurar melhor a vigilância maritima e a defesa da soberania das águas nacionais. 

Na sequência do reforço da capacidade operacional da MGA, a Base Costeira do Soyo vai ter um novo cais que receberá navios de guerra de grande porte cujas obras de raiz encontram-se  em fase avançada.

O perimetro da base  que foi ampliado, as obras de requalificação  contemplam também gabinetes e alojamentos para o efectivo.

A construção do cais e a requalificação da Base Costeira do Soyo está a ser executada na província do Zaire e tem como principal objectivo dotar as Forças Armadas Angolanas , com infraestruturas modernas com padrões de qualidade.

A nova Base Costeira do Soyo terá um novo  comando ,  centro de vigilância marítima, comando das esquadrilhas, escolas, bem como um cais com três pontes de acostagem.

Contará também com alojamento para Oficiais, Sargentos, Praças e para as esquadrilhas.

O projecto contempla ainda a reabilitaçao do antigo comando da região assim como o edifício do Estado-Maior e uma enfermaria.

A actual Base Naval é constituída na sua maioria por infraestruturas construídas na década de 60 e 70 e, que já não apresentam  condições necessárias.

Para além dos edifícios existentes se revelarem  também inadequados para uma unidade de apoio, às operacoes navais e a base naval .

Para o Representante da Marinha de Guerra Angolana junto da Mota-Engil Angola, empresa que executa as obras da futura Base Costeira do Soyo, Tenente-de-Navio engenheiro Evaristo Campos Cahombo, é uma obra de grande envergadura para as Forças Armadas Angolanas e, em particular, para a Marinha que servirá para a satisfação de todos efectivos e não só.

A conclusão das obras  estão previstas para 2023. A  1ª fase da estará concluída este ano . A infraestrutura está ser erguida numa área  de 130 mil metros quadrados.

Saiba mais
  • 03 Jun 2022
  • Comentarios
LOBITO GANHA CENTRO REGIONAL DE VIGILÂNCIA MARÍTIM...

A Região Naval Sul  foi contemplada com um Centro Regional de Vigilância Marítima e três Centros Radiotécnicos de Observação Costeira (CROCs).

Os meios juntam-se  aos já existentes num total de sete.

Com a instalação  destes sistemas as  missões de vigilância marítima serão mais eficientes na  componente operacional para o patrulhamento e garantia da segurança  do  espaço marítimo nacional.

Em  declarações à Imprensa, o Comandante da Região Naval Sul, Vice-almirante Tomás Felgueiras Neto, enalteceu o esforço do Executivo pelo investimento  que garante maior capacidade de cobertura operacional no plano da vigilância marítima, com realce para o combate a imigração  e pesca ilegal.

O Comandandante, garantiu que o investimento realizado na região poderá estender-se à requalificação das antigas instalações que pertenciam a ex-EPAM, actual Academia Naval que funciona em instalações provisórias em Luanda desde 2011.

“Estamos muito bem na execução física, mas devido a dificuldades financeiras, sentimos alguns atrasos.  Se tivermos  garantias financeiras, será  possível em três meses termos  a obra terminada em Junho do corrente”, referiu.

O Vice-almirante Tomás Felgueiras anunciou também, a construção de um estaleiro naval a ser erguido na cidade do Lobito província de Benguela.

“Uma vez construído e instalado o equipamento no  futuro estaleiro, as revisões e reparações dos navios estarão  muito mais facilitados”.

Em relação ao melhoramento da dieta alimentar das tropas, o responsável militar informou que o Comando apostou na granja do Culango onde  se desenvolve agricultura, tendo neste momento 2,5 hectares preparados para o cultivo de cebola e tomate que serão colhidos dentro de três meses.

Já no campo da agropecuária, a produção conta com mais de 100 cabeças de gado e mais de 30 caprinos.

Saiba mais
  • 17 May 2022
  • Comentarios
GENERAL KAMORTEIRO INTEIROU-SE DO FUNCIONAMENTO DA...

Luanda - O Chefe do Estado Maior General Adjunto das Forças Armadas Angolanas para Área Operacional e Desenvolvimento, General Abreu Muengo Ukuatchitembo “Kamorteiro “, visitou sexta-feira (13), a Base Naval de Luanda, onde constatou o grau de prontidão das novas Lanchas de patrulhamento das águas nacionais, que estarão a cargo dos efectivos da Marinha de Guerra Angolana.

Na ocasião, o General Kamorteiro e outros responsáveis militares do Estado Maior General das FAA e da Marinha de Guerra Angolana, assistiram várias demonstrações práticas sobre a missão destas novas Lanchas adquiridas pela MGA, no quadro da modernização e apetrechamento em curso nos três ramos das Forças Armadas Angolanas, nomeadamente, Exército, Força Aérea e Marinha de Guerra.

A Marinha de Guerra Angolana (MGA) é o ramo naval das Forças Armadas Angolanas, que tem como missão a defesa das águas nacionais, na protecção das linhas de comunicação marítima, busca e salvamento, segurança da navegação, fiscalização das pescas, protecção de recursos do mar e apoio a  política externa do país.

Saiba mais
  • 05 May 2022
  • Comentarios
CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA PORTUGUESA VISITA...

Luanda - O Chefe do Estado-Maior da Armada Portuguesa Almirante Henrique Eduardo Passaláqua de Gouveia de Melo, iniciou nesta quinta-feira,  uma visita de trabalho de dois dias a  Angola, no quadro das relações de cooperação.

A visita tem como objectivo  renovar os compromissos de cooperação e intensificar as relações bilaterais entre a Armada Portuguesa e a Marinha de Guerra Angolana.

A sua chegada  a Luanda , o  Almirante Henrique Eduardo Passaláqua recebeu cumprimentos de boas vindas do Vice-almirante Valentim Alberto António, segundo Comandante da Marinha de Guerra Angolana, em representação do Comandante do Ramo.

Ainda hoje no  encontro que manteve com os membros do Comando da MGA, o Almirante luso foi informado sobre a organização e funcionamento do Ramo, das suas perspectivas e do investimento que o Executivo está a realizar na MGA.

Na ocasião , o Vice-almirante Valentim António afirmou que há espaço para ampliar e explorar as relações de amizade no âmbito da cooperação existente entre as duas marinhas de modo que  o projecto de desenvolvimento da MGA não se esgote nas actividades desenvolvidas actualmente.

“Entendemos que deverá haver novos campos a desbravar,  esquemas em curso a melhorar e novas metas a atingir”, referiu o dirigente militar angolano.

Neste sentido , afirmou  que quando a vontade é muita, só a imaginação pode condiocionar o horizonte.

O visitante  luso cumpriu hoje ( quinta-feira) , uma intensa jornada de trabalho na Base Naval de Luanda cuja agenda o levará ao Ministério da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria, ao Chefe do Estado Maior General e à Região Naval Norte, Soyo.

No quadro da sua visita, atracou no dia 03 de Maio, no Porto de Luanda, o navio NRP Viana do Castelo pertencente à Marinha de Guerra Portuguesa, pela segunda vez, com 50 militares a bordo.

O navio Viana do Castelo, modelo P360, regressa a Angola quatro anos depois da primeira visita feita ao país, apoiando a primeira visita oficial do actual CEMA português e seguir missão no âmbito da iniciativa “Mar Aberto”, disse o Comandante do navio, Capitão-de-Fragata Paciência da Silva.                                                                          

De recordar que o referido navio foi desenhado pelos engenheiros e construtores navais de Portugal, em Viana do Castelo, e é operado pelos marinheiros portugueses. É o primeiro da classe de patrulha oceânica de Portugal, tem 83 metros de comprimentos, 13 de largura, uma altura a baixo da linha da água de 4 metros, deslocamento de peso total de 1.850 toneladas, construído para busca e salvamento.

Quanto à sua autonomia no mar, o Capitão-de-Fragata Paciência da Silva informou que  depende da velocidade que for praticada, variando entre 30 a 40 dias sem precisar de abastecimento de combustível e 60 de alimentação.

Saiba mais
REVISTA MARINHA

A Revista Militar, órgão do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas, acaba de sair com um número especial dedicado ao 20º aniversário das FAA, comemorado no dia 9. A revista, ausente das bancas há vários meses, tem uma entrevista ao general Sousa e Santos “Disciplina”, chefe adjunto do Estado-Maior General para a Educação Patriótica.

Eventos Recentes

Militares em Destaques