Notícias



  • 02 Nov 2021
  • Comentarios
PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO PARTICIPOU NA CONFERÊNCIA...

O Presidente da República, João Lourenço, participou nos dias 1 e 2 deste mês, na cidade de Glasgow, Escócia, na vigésima sexta Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26). 

 

Ao discursar nesta terça-feira na conferência o Chefe de Estado angolano referiu que Angola considera as alterações climáticas como um dos maiores desafios que enfrenta a humanidade, pelos efeitos directos e indirectos que causam à vida económica e social das nações.

 

No seu discurso, João Lourenço, ao apresentar a visão de Angola, sobre o clima a nível do mundo, considerou as acções ambientais como “um verdadeiro desafio ao desenvolvimento”.

 

Neste contexto, explicou que Angola abraça a causa da protecção e repovoamento dos mangais através de uma campanha nacional de replantação de mudas de mangue ao longo da extensa orla marítima nacional.

 

Disse que o Executivo angolano privilegia a produção e o consumo de energia limpa proveniente das barragens hidroeléctricas existentes e de outras por construir.

 

De acordo com João Lourenço, o seu Governo prioriza a promoção das fontes renováveis de energia, com destaque para projectos de produção de energia fotovoltaica, com parques solares que vão reduzir o consumo de combustíveis fósseis na produção de energia eléctrica.

 

 Actualmente, realçou, a matriz energética nacional já incorpora 62 por cento de fontes não poluentes de energia, ambicionando chegar a 70 por cento em 2025.  

 

Lembrou que o país rubricou, recentemente, em Washington D.C (EUA), com o Fundo Internacional de Conservação (ICCF), um convénio para a conservação dos parques do Luengue-Luiana e Mavinga, para a protecção da vida selvagem animal e vegetal, bem como o desenvolvimento do turismo internacional sustentado.

 

Na sua intervenção, o Estadista angolano recordou ainda que Angola já aprovou a Estratégia Nacional para as Alterações Climáticas 2021-2035, almejando alcançar os objectivos preconizados no Acordo de Paris.

 

“O meu Governo aprovou, recentemente, um importante pacote legislativo ambiental, instrumentos que serão determinantes na luta contra as alterações climáticas”, sublinhou.

Nesta esteira, afirmou que Angola está alinhada com os consensos internacionais do desenvolvimento sustentável, incluindo o África–2063, em consonância com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

 Acrescentou que o país definiu também a sua contribuição, concretizada na redução da intensidade de carbono na produção de energia eléctrica, num horizonte temporal até 2025, e acções complementares no domínio da gestão sustentável das florestas, dos transportes e da agricultura.

 

A margem da conferência o Presidente João Lourenço manteve encontros informais com algumas entidades presentes no fórum, com os quais abordou questões de interesse comum.

 

Neste âmbito o Chefe de Estado angolano conversou com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, o secretário-geral da ONU, António Guterres e com o antigo primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair.

 

Dialogou também com os Presidentes da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi, do Congo, Denis Sassou Nguesso, da Zâmbia, Hakainde Hichilema e da República Centro Africana (RCA), Faustin Touadera, entre outras personalidades.

 

A conferência, que vai decorrer até ao dia 12 de Novembro, aborda questões das finanças, energia, natureza, bem como juventude e empoderamento público, assim como género, transportes, ciência e inovação, adaptação, perdas e ganhos, cidades, regiões e ambiente construído.

Saiba mais
  • 01 Nov 2021
  • Comentarios
CHEFE DO ESTADO MAIOR GENERAL ADJUNTO PARA EDUCAÇÃ...

O Chefe de Estado Maior General Adjunto para Educação Patriótica das Forças Armadas Angolanas, General João António Santana “Lungo", visitou de 26 a 28 do mês corrente a Região Militar Centro, onde constatou o nível de prontidão, organização e funcionamento daquela região.

 

Nas referidas unidades, no encontro que manteve com os respectivos responsáveis militares, o General Lungo exortou maior sentido de patriotismo, unidade nacional e coesão no seio das tropas.

 

Apelou de igual modo aos efectivos, a necessidade de maior reforço dos princípios da disciplina, respeito a hierarquia, do comando único, e a subordinação das Forças Armadas Angolanas ao poder político legalmente instituído.

 

O General Lungo falou também da manutenção da coesão, defesa da disciplina militar e a prática dos valores da instituição castrense.

 

O dirigente aproveitou o momento de lazer para de forma descontraída fazer uma partida do vulgo jogo Dama com um soldado.

 

Os militares ficaram lisonjeados com o gesto e sentiram-se mais próximos da Chefia

 

Durante as visitas o dirigente militar manteve também encontros com os respectivos governadores das províncias do Bié e Huambo.

Saiba mais
  • 28 Oct 2021
  • Comentarios
PR INTEIROU-SE DO DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÓMICO...


Uíge- O Presidente da República, João Lourenço, no âmbito do programa de visitas às diferentes províncias do país, esteve na cidade do Uíge, onde durante dois dias (26 e 27), inteirou-se do nível de desenvolvimento sócio-económico da região .

João Lourenço que esteve acompanhado de vários ministros, manteve um encontro de trabalho com responsáveis da província do Uíge.

Durante a reunião foi feita a avaliação do estado dos diferentes sectores da acção governativa naquela província. A interacção permitiu também abordar o estado geral de desenvolvimento do território.   

O Titular do Poder Executivo que se fez acompanhado da primeira dama da República, Ana Dias Lourenço manteve ainda encontros em separado com representantes da sociedade civil, durante os quais auscultou as principais dificuldades que afligem a população. 

O Chefe de Estado testemunhou a inauguração do hospital do bairro Catapa, arredores da cidade do Uíge, com capacidade para 90 camas e visitou também o futuro Centro Tecnológico da província.

Antes de deixar a cidade do Uíge, o Chefe de Estado visitou uma Feira Agrícola em que estão representados os 16 municípios que compõem a província.

Na amostra, além de produtos agrícolas, estão expostas peças de artesanato, gado (bovino, caprino e suíno), bem como mobiliário fabricado localmente.

Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que a província do Uíge tem uma população estimada em 1.662.047 habitantes.

Com uma área de 58.698 quilómetros quadrados, a província é constituída por 16 municípios, designadamente Uíge, Alto Cauale, Ambuíla, Bembe, Buengas, Bungo, Milunga, Damba, Maquela do Zombo, Mucaba, Negage, Puri, Quimbele, Quitexe, Sanza Pombo e Songo.

O Uíge tem forte potencial na produção agrícola. Entre os produtos mais cultivados na região estão o café, feijão, dendém, amendoim (ginguba), mandioca e batata doce.

A par da agricultura, a província destaca-se, igualmente, na criação de gado (bovino, suíno e caprino) e na actividade piscatória.

Saiba mais
  • 24 Oct 2021
  • Comentarios
PR PARTICIPOU NA PLANTAÇÃO DE MANGAIS

Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, em companhia da Primeira Dama, Ana Dias Lourenço, participou sábado, na região dos Ramiros, Distrito de Belas, no programa de plantação de mangais, projecto que visa contribuir para o reflorestamento das zonas húmidas do litoral angolano.

 

Na ocasião o Chefe de Estado e a primeira dama da República, plantaram cerca de 200 pés de mangais num perímetro de 200 metros na orla costeira da comuna dos Ramiros.

 

João Lourenço prometeu repetir a operação a depender da sua (apertada) agenda oficial, contribuiu desse modo para a materialização do vínculo que passou a ligar, a partir de sábado e por um período inicial de 5 anos, a SONANGOL e a ONG OTCHIVA, dirigida pela ambientalista Fernanda Renee.

 

Testemunhou ainda todos os momentos que deram corpo ao nascimento do projecto Carbono Azul, a acção da petrolífera SONANGOL de apoio directo às iniciativas ambientais. 

 

No fim da cerimónia, em declarações aos jornalistas, Presidente João Lourenço apelou aos cidadãos a contribuírem com acções.

concretas em prol da defesa do meio ambiente.

 

"Chegamos a um momento em que já não basta falar. Não basta ter consciência (...). É preciso que se façam acções concretas, pequenas ou grandes", expressou, por ocasião do acto de lançamento do projecto de reflorestamento de mangais, também designado "Carbono Azul".

 

Considerou que a acção, a que se fez presente, se for multiplicada, com certeza que terá o seu impacto na defesa do ambiente.

 

O Titular do Poder Executivo apontou o ser humano como principal responsável pelos danos que o meio ambiente tem estado a sofrer, adiantando ser "a acção do homem que levou à situação actual de secas, inundações, tufões, furacões, tsunamis e incêndios".

 

Após o acto, o Presidente João Lourenço ofereceu duas viaturas de apoio à Associação Otchiva.

 

Sobre os mangais

Os mangais são ecossistemas naturais tropicais, compostos por espécies de plantas que toleram água salgada. 

 

Geralmente, esses espaços estão localizados em áreas costeiras. 

 

 

Da exploração correcta e eficiente desta espécie pode resultar, em particular, na produção de lenha, colecta de mariscos, produtos medicinais, estacas para habitação, madeira e produtos artesanais, suportando as economias rurais e o ecoturismo.

 

Os mangais são considerados “ecossistemas de carbono azul”, bem como ervas marinhas e pântanos de sal, porque são 10 vezes mais eficientes nz absorção e armanezamento de grandes quantidades de carbono, em comparação com ecossistemas terrestres.

 

Estimativas apontam para a existência de 50 hectares degradados de mangais em todo o território nacional, sendo que um hectare de mangais conservado é capaz de movimentar cerca de 57 mil dólares/ano.

Saiba mais